Câncer de Tireoide

A tireoide é uma glândula localizada no pescoço, em um formato parecido com o de uma borboleta. Componente do sistema endócrino, é responsável pela produção dos hormônios T3 (triiodotironina) e o T4 (tiroxina), fundamentais para o metabolismo do corpo, e ajuda a regular órgãos como coração, cérebro, fígado e rins.

 

Nódulos na tireoide são bastante comuns, resultado do crescimento acelerado de células no órgão. Em 95% dos casos, esse nódulo é benigno.

No caso de ser identificado câncer de tireoide, os tipos de classificação são:

  • Carcinoma papilífero – Corresponde a 80% a 90% dos casos. É pouco agressivo e mais frequente em mulheres jovens. Geralmente afeta um dos lobos e, em 10% a 50% dos casos, pode crescer nos dois lados. Pode ser causado pela exposição excessiva à radiação e alguns casos (menos de 5%) são familiares. Costuma ser diagnosticado durante exames de rotina.

  • Carcinoma folicular – Responsável por menos que 5% dos casos, assemelha-se ao papilífero no tratamento e costuma crescer lentamente. Mais comum em lugares onde a dieta é deficiente em iodo, caso cresça pode atingir órgãos como pulmão ou os ossos.

  • Carcinoma medular - Representa menos que 5% dos tumores de tireoide. Dividido em dois tipos: Esporádico e Familiar, sendo este resultado de síndromes hereditárias que correspondem a 20% dos casos.

  • Carcinoma anaplásico – Presente em apenas 1% dos casos, é um dos mais agressivos. Seu crescimento rápido causa a obstrução da traqueia e dificulta a respiração.

  • Outros tipos – Existem ainda tipos mais raros de câncer de tireoide, como linfomas e sarcomas.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), a estimativa é de 9.610 novos casos de câncer de tireoide no Brasil em 2019, sendo 1.570 homens e 8.040 mulheres, sendo o 5º tipo mais comum no sexo feminino.

FATORES DE RISCO


Algumas condições são identificadas entre os pacientes com câncer de tireoide.

• Idade: 2/3 dos casos ocorrem entre os 20 e 55 anos.

• Gênero: As mulheres têm três vezes mais chances de desenvolver um câncer de tireoide.

• Exposição à radiação: Contato frequente da radiação na região do pescoço, seja para tratamento de lesões ou exames de raio-x.

• Síndromes hereditárias: Se mais de uma pessoa na família tiver câncer na tireoide, pode ser sinal de uma mutação genética. O mais comum é no gene RET.

• Deficiência em iodo: pessoas com dieta pobre em iodo podem desenvolver o câncer de tireoide. Alimentos de origem marinha, como peixe, camarão e mexilhão podem ajudar a suprir esse nutriente.




SINTOMAS


O câncer de tireoide costuma ser assintomático nos estágios iniciais, especialmente os do tipo papilífero e folicular. Os principais sintomas da doença são:

• Nódulo no pescoço;

• Aumento dos gânglios linfáticos ou inchaço no pescoço;

• Dor na parte da frente do pescoço, que pode chegar até aos ouvidos;

• Rouquidão;

• Tosse constante, sem relação com gripe ou resfriado. Em casos mais graves, pode ser com sangue;

• Dificuldades para engolir alimentos.

Esses sintomas nem sempre estão relacionados ao câncer. A consulta com um médico especialista (endocrinologista ou cirurgião de cabeça e pescoço) ajudará a obter uma avaliação mais precisa.




DIAGNÓSTICO


O diagnóstico precoce ajuda a aumentar as chances de sucesso no tratamento do câncer de tireoide, chegando a 90%. Por isso é importante manter os exames de rotina sempre em dia, pois alguma anomalia pode ser detectada pelo médico durante os procedimentos.

O principal exame para diagnosticar o câncer de tireoide é a biópsia de aspiração por agulha fina (BAAF), que retira algumas células da região para análise no microscópio. Em 90% dos pacientes, esse exame consegue identificar se o tumor é maligno ou benigno.

O médico pode ainda realizar outros exames para complementar o diagnóstico. Em alguns casos pode ser necessário cirurgia para remoção de parte ou de toda a glândula para uma análise mais precisa.

Exames de imagem como ultrassom, tomografia e ressonância magnética podem complementar o resultado da biópsia, mostrando o tamanho do nódulo e observar se avançou para os gânglios linfáticos ou outros órgãos.




ESTADIAMENTO


Após o diagnóstico realizado pelo especialista, o nódulo ou tumor será classificado de acordo com o estágio em que está, ou seja, seu estadiamento. Isso ajudará a definir a escolha do tratamento adequado para cada caso.

ESTÁGIO 1

• Pacientes com menos de 55 anos, com tumor de qualquer tamanho, não está em outras partes do corpo sem ser o pescoço.

• Com mais de 55 anos, tumor tem 2 cm ou menos, está apenas na tireoide.

ESTÁGIO 2

• Pacientes com menos de 55 anos, o câncer pode ter alcançado outras partes do corpo, como pulmão ou os ossos.

• Com mais de 55 anos, tumor tem entre 2 a 4 cm, está apenas na tireoide.

ESTÁGIO 3

• Pacientes com mais de 55 anos, tumor tem mais de 4cm ou se espalhou um pouco além da tireoide. Ou é menor, mas atingiu os gânglios linfáticos no pescoço.

ESTÁGIO 4A

• Pacientes com mais de 55 anos, tumor se espalhou pelo pescoço e na parte superior do peito.

ESTÁGIO 4B

• Pacientes com mais de 55 anos, câncer alcançou o pescoço perto da coluna vertebral ou em torno de vasos sanguíneos no pescoço ou no rosto.

ESTÁGIO 4C

• Pacientes com mais de 55 anos, câncer atingiu outras partes do corpo, como pulmão, ossos ou gânglios linfáticos.

*Câncer de tireoide do tipo anaplásico é sempre classificado no estágio 4.




TRATAMENTO


O tratamento a ser escolhido para o câncer de tireoide pode variar de acordo com a classificação e o estadiamento definido pelos exames.

CIRURGIA: na maioria dos casos, a cirurgia de remoção do tumor é o método mais indicado. O procedimento cirúrgico pode ser classificado em dois tipos:

• Tireoidectomia total – toda a tireoide é removida. Neste caso, o paciente deverá fazer reposição hormonal por meio de medicamentos pelo resto da vida.

• Lobectomia – retira apenas o lado onde o tumor está localizado. É indicado para os carcinomas papilíferos com menos de 1 cm que não espalhou.

Para pacientes que apresentem disseminação do tumor para os gânglios linfáticos é necessária a realização do esvaziamento cervical.

Atualmente alguns pacientes selecionados podem ser submetidos a cirurgias sem incisão (corte) no pescoço, utilizando-se equipamentos de endoscopia (cirurgia pela boca, denominada TOETVA) ou por técnica robótica por meio de uma incisão atrás da orelha. A maior parte dos pacientes não é elegível para estes procedimentos devido a presença de tireoidite associada, tamanho do nódulo e outros fatores.

Outros métodos de tratamentos indicados para o câncer de tireoide são:

IODOTERAPIA: consiste em uma dose de iodo radioativo que pode destruir a glândula tireoide ou qualquer célula cancerígena presente no órgão, sem causar efeitos colaterais para o restante do corpo. É utilizado para remover qualquer tecido de tireoide restante da cirurgia ou para tratar o câncer que se alastrou para os gânglios linfáticos e outros órgãos.

RADIOTERAPIA: raranente usada em casos em que a cirurgia não tenha eliminado o câncer em órgãos mais delicados, como a traqueia, pode ser aplicada a radioterapia externa. Este método é importante nos tipos mais agressivos, como o carcinoma medular e o anaplásico.

QUIMIOTERAPIA E TERAPIA-ALVO: são utilizadas excepcionalmente em casos de tuomores muito avançados que não possam ser tratados pelos métodos convencionais.





Tipos de Câncer

Para conhecer mais sobre os tipos de câncer da região da cabeça e pescoço, prevenção, fatores de risco, sintomas, diagnóstico e tratamento, selecione abaixo a opção.

arrow&v