Câncer de Laringe

 A laringe está localizada na garganta entre a base da língua e a traqueia. Ela é responsável por proteger os brônquios e pulmões de partículas de alimentos que podem ser deslocar durante a deglutição, além de ser parte importante da produção da fala. A laringe se divide em três partes:

  • Glote: Parte central onde estão as cordas vocais;

  • Supraglote: A área acima das cordas vocais;

  • Subglote: Abaixo das cordas vocais e acima da traqueia.

É na glote que estão as cordas vocais, pequenas pregas que vibram com a passagem do ar e fazem parte do aparelho fonador.

O câncer de laringe ocorre predominantemente em homens acima de 40 anos e é um dos mais comuns entre os que atingem a região da cabeça e pescoço. A maioria dos casos se desenvolve na glote, a partir das células escamosas do epitélio. Este tipo de câncer é chamado de carcinoma de células escamosas

 

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), estão previstos 7.670 novos casos de câncer de laringe no Brasil em 2019. 

FATORES DE RISCO


Os principais fatores que podem ter relação com o desenvolvimento do câncer de laringe são:

• Tabagismo: principal fator de risco para a doença, fumar aumenta exponencialmente as chances de desenvolver o câncer de laringe;

• Bebidas alcoólicas: se consumidas em excesso e combinadas com o tabaco, podem potencializar o surgimento da doença;

• Exposição a produtos químicos: ar contaminado com elementos como amianto, níquel e ácido sulfúrico podem causar doenças na laringe;

• Idade: o câncer de laringe costuma ser mais comum a partir dos 60 anos;




SINTOMAS


Os sintomas podem variar de acordo com o paciente e depende também da localização do tumor.

•Rouquidão ou alterações na voz;

• Dificuldade em engolir alimentos ou a sensação de algo preso na garganta;

• Dor de garganta persistente;

• Dor de ouvido;

• Caroço no pescoço;

• Tosse constante;

• Problemas respiratórios;

• Perda de peso sem motivos;

Esses sintomas nem sempre têm relação com o câncer de laringe, mas é preciso estar atento e consultar um médico especialista para uma avaliação mais precisa.




DIAGNÓSTICO


Com o diagnóstico precoce as chances de sucesso no tratamento da doença são maiores, além de reduzir possíveis impactos em relação à qualidade de vida. Ao perceber alguns dos sintomas, é importante procurar um otorrinolaringologista ou um especialista em cirurgia de cabeça e pescoço.

Exames de imagem como a laringoscopia direta e indireta ou a videoestroboscopia laríngea são importantes para o diagnóstico, mas é pela biópsia, retirada de fragmento do tumor para análise, que é possível identificar se o tumor é maligno ou não.

Às vezes, também são necessários exames auxiliares para chegar ao diagnóstico efetivo, como: Ultrassonografia; Tomografia computadorizada; Ressonância magnética e PET-TC.




ESTADIAMENTO


Após o diagnóstico realizado pelo especialista, o nódulo ou tumor será classificado de acordo com o estágio em que está, ou seja, seu estadiamento. Isso ajudará a definir a escolha do tratamento adequado para cada caso.

O câncer de laringe é classificado pelo “sistema TNM”, no qual o T significa um tumor na região do órgão; N descreve que o câncer cresceu para os gânglios linfáticos; e M representa metástase, ou seja, a doença se alastrou para órgãos mais distantes.

Essa letra é acompanhada de um número, de 0 a 4. Quanto maior o número, mais o câncer cresceu ou se espalhou para outros órgãos.




TRATAMENTO


Dependendo da localização e da extensão do tumor, o tratamento indicado pode ser cirurgia e/ou radioterapia e com quimioterapia associada à radioterapia.

CIRURGIA:

• Cordectomia: tipo de cirurgia usada para tratar os tumores nas cordas vocais, removendo toda a corda vocal acometida pela doença ou parte dela.

• Laringectomia: utilizada para remover total ou parcialmente a laringe dependendo da localização e extensão do tumor. Para tumores em estágio inicial, a laringectomia parcial pode ser realizada por incisão no pescoço ou por via endoscópica. Em tumores muito avançados, a Laringectomia Total, pode ser necessária, o que implica na perda total da laringe e da voz e na realização de uma traqueostomia (abertura de um orifício artificial na traqueia para facilitar a respiração). Os pacientes submetidos a esse procedimento podem ter a reabilitação da voz com o uso de próteses fonatórias tráqueo-esofageanas.

RADIOTERAPIA: também integra as opções de tratamento, inclusive como primeiro tratamento em tumores de estádio bem inicial. O mais comum é que ela seja utilizada como adjuvante no pós-cirúrgico, destruindo células cancerosas que podem ter permanecido no local. Em alguns casos, quando o tumor está em estágio avançado, a radioterapia também pode ser indicada como primeiro tratamento assocada a quimioterapia com o intuito de preservar a voz, e a cirurgia somente ser utilizada quando esta associação de tratamentos não conseguir controlar o tumor.

QUIMIOTERAPIA: em alguns casos, também pode ser utilizada após a cirurgia, associada à radioterapia, para reduzir ou eliminar as células cancerígenas na região. Em situações específicas pode ser usada associada a radioterapia com finalidade de preservação da laringe.

CUIDADOS PÓS-TRATAMENTO

Alguns pacientes podem apresentar dificuldades para se alimentar ou falar depois do tratamento do câncer de laringe. Por isso, é fundamental o acompanhamento de fonoaudiólogos para garantir uma reabilitação mais rápida e eficiente, de acordo com cada caso.

Pacientes com câncer de laringe não devem fumar ou ingerir bebida alcóolica durante ou após tratamento. Esses hábitos prejudicam o tratamento e aumentam os riscos de uma recidiva (quando ocorre a volta do câncer tratado antes) ou aparecimento de outro tumor primário.





Tipos de Câncer

Para conhecer mais sobre os tipos de câncer da região da cabeça e pescoço, prevenção, fatores de risco, sintomas, diagnóstico e tratamento, selecione abaixo a opção.

arrow&v