Jornais

Notícias

Cuidados para recuperar ou manter a voz após um câncer de laringe

Receber o diagnóstico de um câncer traz muitas incertezas ao paciente. No caso de um tumor maligno na laringe, uma questão importante é se a fala será prejudicada devido ao tratamento da doença. Afinal, na laringe, órgão que fica no pescoço, é onde estão localizadas as cordas vocais, responsáveis por emitir o som da voz por meio de uma vibração feita quando o ar passa pelo local.


Essa é uma situação vivenciada por cerca de 7.600 brasileiros a cada ano que recebem o diagnóstico da doença, segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA). O tumor na laringe atinge principalmente os homens acima de 40 anos, tornando-se um dos tipos de câncer mais comuns na região da cabeça e pescoço.


O tratamento do câncer na laringe, geralmente, implica na realização de radioterapia ou de uma cirurgia, chamada de laringectomia, que pode remover o órgão parcial ou totalmente, a depender da localização e extensão do tumor. Caso a doença esteja muito avançada, a laringectomia total pode ser realizada e trazer algumas limitações na deglutição e na fala, inclusive a perda da voz, por isso, é fundamental o acompanhamento de uma equipe multidisciplinar de fonoaudiólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, para a reabilitação do quadro clínico do paciente.


Métodos para reabilitar a voz após o tratamento do câncer de laringe


Se durante a cirurgia houve a necessidade de remoção da laringe, será necessário aprender um novo jeito de falar. Nesse caso, o fonoaudiólogo é o profissional indicado para acompanhar e desenvolver o plano de reabilitação do paciente. Conheça algumas opções utilizadas para o processo de reabilitação da voz:


  • Voz esofágica: A voz esofágica é considerada a segunda voz e pode ser utilizada quando as pregas vocais foram retiradas e não é mais possível a emissão de som de forma natural. Essa técnica utiliza o ar que passa pelo esôfago, órgão responsável em levar alimentos e bebidas ao estômago. A emissão da voz será feita quando o ar passar pelo esôfago, provocando a vibração, até chegar na boca. O tom da voz será diferente, mais grave. Essa técnica exige uma terapia intensiva com o fonoaudiólogo para conseguir bons resultados.


  • Laringe eletrônica: Também chamada de eletrolaringe, é um aparelho eletrônico externo que deve ser pressionado próximo ao pescoço ou a boca e produz uma vibração que emite a voz. Nesse caso, a voz terá um som mecanizado.


  • Punção traqueoesofágica: O médico cirurgião fará um orifício entre o esôfago e a traqueia para inserir uma prótese com válvula que irá abrir quando o ar expirado passar pelo local. Essa abertura irá produzir vibrações para a emissão da fala, criando um som mais suave.


Cuidados para se ter após o tratamento do câncer de laringe


Em casos de tumores muito avançados em que é necessária a realização da laringectomia total, implicando na perda da voz, é realizada também uma traqueostomia, uma pequena abertura artificial, chamada de estoma. Esse orifício irá manter a respiração. Veja os cuidados com o estoma que devem ser realizados:


• Checar todos os dias se está limpo e livre de muco;

• Limpar o muco do estoma, seja tossindo ou usando um pano associado a inalações com solução fisiológica;

• Manter úmido com o uso de inalações com soro fisiológico;

• Limpar a área do estoma com água e sabão neutro - mas nunca mergulhar o estoma na água;

• Manter o estoma coberto ao fazer a barba ou tomar banho. É importante deixá-lo protegido também para evitar a entrada de poeira, usando um lenço ou uma capa especial para estoma.


672 visualizações