Jornais

Notícias

EUA vê HPV associado a 81% dos casos de câncer de orofaringe

Um estudo realizado nos Estados Unidos por meio do United States Cancer Statistics de 2001-2017 - The Surveillance, Epidemiology, and Results (SEER), determinou a incidência e as tendências de cânceres relacionados ao papilomavírus humano (HPV) no território estadunidense. Apresentado na reunião anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO) o estudo HPV-associated cancers in the United States over the last 15 years: Has screening or vaccination made any difference? evidenciou que a vacinação contra HPV contribuiu para a redução da incidência de câncer de colo do útero, mas o mesmo cenário não se observa em câncer de orofaringe.



O estudo mostra que para os homens, a incidência de todos os cânceres relacionados ao HPV foi de 11,0 para cada 100 mil, sendo que 81% estavam associados ao câncer de orofaringe. Na análise, os cânceres associados ao HPV incluídos foram carcinoma de células escamosas da orofaringe, ânus e reto, vulva, vagina, colo do útero e pênis.


A pesquisa também revela que a incidência geral de cânceres relacionados ao HPV para mulheres foi de 13,68 para cada 100 mil, mais da metade dos quais (52%) foram câncer de colo do útero. Para mulheres mais velhas, a incidência de câncer anal e retal se aproximou do câncer de colo do útero. Naquelas com mais de 80 anos, a incidência para cada 100 mil mulheres foi de 6,95 em câncer de do útero e de 6,36 para o câncer anal e retal.



CÂNCER DE OROFARINGE E O NOVO PERFIL DE PACIENTES


O estudo também mostra que nos últimos 16 anos, a incidência de câncer cervical diminuiu em uma mudança percentual anual (APC) de 1,03%. Em contraste, o câncer orofaríngeo, anal e retal e de vulva aumentaram significativamente no período. “O crescimento anual na incidência de câncer associado com infecção pelo HPV, em especial de orofaringe, é reflexo da mudança de perfil dos pacientes. Embora o tabagismo ainda seja o maior fator de risco, o HPV desponta como um fator de risco importante, principalmente quando a doença é diagnosticada entre os mais jovens e não tabagistas”, destaca o Professor Dr. Luiz Paulo Kowalski, cirurgião de cabeça e pescoço e diretor da clínica Kowalski.


Os autores concluem que, no geral, houve uma diminuição na incidência de câncer de colo do útero provavelmente devido ao rastreamento ou vacinação. No entanto, 81% dos homens com câncer relacionado ao HPV tinham câncer orofaríngeo, uma incidência quase cinco vezes maior em comparação com as mulheres. Em contraste, houve um aumento significativo nos cânceres não rastreáveis ​​relacionados ao HPV e a incidência de câncer de ânus e reto deve ultrapassar a do câncer de colo uterino dentro de cinco anos, para certos grupos de risco.


Os pesquisadores afirmam que mais recursos e pesquisas devem ser conduzidos para abordar a falta de rastreamento ou vacinação nesses tipos de câncer evitáveis.



Referência do estudo


Cheng-I Liao, Michelle Ann P. Caesar, Chloe Chan, Michael Richardson, Daniel Stuart Kapp, Alex Andrea Francoeur et al. HPV-associated cancers in the United States over the last 15 years: Has screening or vaccination made any difference? ASCO Congress 2021. J Clin Oncol 39, 2021 (suppl 15; abstr 107)


Disponível em https://meetinglibrary.asco.org/record/196627/abstract