Jornais

Notícias

Mudanças de hábito são fundamentais para combater o câncer

Informar sobre os principais fatores de risco e como evitá-los visando diminuir o número de casos de câncer. Esses são os principais objetivos da criação de datas como o Dia Mundial da Luta Contra o Câncer, que busca reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce para reduzir a incidência e os efeitos da doença.



De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (INCA), são previstos no Brasil mais de 620 mil casos de câncer por ano. Entre os homens, o principal tipo de câncer é o da próstata, com estimativa de 65 mil novos casos previstos por ano, enquanto entre as mulheres o câncer de mama é a doença com maior ocorrência, com 66 mil novos diagnósticos.


Em relação aos cânceres que atingem a região da cabeça e pescoço, o tumor mais incidente é o da cavidade oral: são mais de 15 mil novos casos de câncer de boca previstos no ano. O câncer na glândula tireoide tem uma alta incidência especialmente entre as mulheres, com mais de 11.900 casos por ano. No gênero masculino é observado um maior número de casos de tumores malignos na laringe, com mais de 6.400 por ano.


Entre 80% e 90% dos casos de câncer são causados por fatores ambientais, aqueles adquiridos ao longo da vida, por hábitos de vida. Entre eles estão: o tabagismo, excesso no consumo de bebidas alcoólicas, consumo de alimentos ultraprocessados, embutidos, gordurosos, ricos em açúcares, a infecção pelo vírus HPV (Papilomavírus Humano) e tomar sol sem proteção. Apenas cerca de 10% dos casos de câncer estão relacionados a fatores hereditários.


Prevenção do câncer a partir de dados e estatísticas


As estatísticas sobre os casos de câncer ajudam a mapear quantos óbitos e diagnósticos ocorrem a cada ano, o número de pessoas que convivem com a doença e as que tiveram sucesso no tratamento. Além de dados sobre quem recebe o diagnóstico: média de idade, o gênero, grupo social, localização geográfica, entre outras categorias. Todas essas informações são importantes para observar possíveis tendências e rastrear os principais fatores de risco para o desenvolvimento de um câncer.


A coleta desses dados é realizada por profissionais da saúde, pesquisadores, organizações públicas e privadas para ter conhecimento do impacto do câncer na população e permitir a elaboração de estratégias que possam ajudar no combate ao câncer na sociedade como um todo. Por fim, as estatísticas também ajudam a definir se uma estratégia previamente adotada foi efetiva no combate ao câncer.


Um exemplo claro é a vacinação contra o HPV. Esse vírus, diretamente ligado ao desenvolvimento do câncer de colo de útero, também é fator de risco para tumores na região da cabeça e pescoço, em partes como boca, língua e, principalmente, a orofaringe. De acordo com uma pesquisa feita no Canadá, Estados Unidos, Austrália e Europa, publicada no periódico The Lancet, o início da imunização contra o HPV diminuiu em 51% a incidência de lesões pré-cancerígenas causadas pelo vírus.


Já outra pesquisa, realizada especificamente na Escócia, comparou a taxa de lesões pré-cancerígenas no colo do útero de mulheres que nasceram em 1988 e não foram vacinadas com as que nasceram entre 1995 e 1996 e receberam o imunizante. O estudo também observou uma redução considerável da incidência do vírus HPV ou de outro fator ligado diretamente ao desenvolvimento deste câncer.


A vacinação contra o vírus HPV é um exemplo de mobilização coletiva para reduzir a incidência do câncer na população. Campanhas para informar as pessoas sobre os fatores de riscos da doença são outro exemplo importante para prevenção. Afinal, se quase 90% dos casos são causados por hábitos de vida, é possível reduzir a incidência adotando novas práticas no dia a dia.


Hábitos de prevenção para ajudar no combate ao câncer


Você também pode colaborar no combate ao câncer: além de compartilhar conteúdos com validação médica sobre o assunto, é importante adotar no cotidiano hábitos que ajudam a reduzir as chances de desenvolvimento da doença. Veja 7 dicas que auxiliam na prevenção do câncer:


  • Não fume - O tabagismo é um dos principais fatores de risco para diversos tipos de câncer, como boca, laringe, faringe e pulmão. O cigarro contém mais de 4.700 substâncias tóxicas que prejudicam a saúde do fumante e, também, de quem está próximo.


  • Adote uma alimentação saudável - Uma dieta alimentar adequada pode ajudar na prevenção de tumores na cabeça e pescoço, estômago e intestino, além de melhorar a saúde do corpo e evitar outras doenças, como as cardiovasculares. Tenha uma alimentação rica em frutas, legumes, verduras, cereais e fibras, evitando ao máximo o consumo de gorduras, açúcares, alimentos ultraprocessados, embutidos e modere no consumo de carne vermelha.


  • Evite o excesso de bebidas alcoólicas - O consumo exagerado de bebidas alcoólicas pode levar ao desenvolvimento de câncer na cavidade oral, faringe, laringe, entre outros. Evite também o consumo de bebidas quentes, mesmo as não-alcóolicas como o chá, o café e o chimarrão, com temperatura acima de 65º C, pois também podem ser um fator de risco para tumores na boca e garganta.


  • Mantenha o peso adequado e pratique atividades físicas - Incluir exercícios físicos no dia a dia pode ajudar a melhorar a sua saúde e manter o seu peso. Há opções de vários tipos de atividades, como correr, praticar um esporte, fazer ginástica ou musculação, como também simplesmente fazer caminhadas ou dançar. Converse com seu médico e veja quais exercícios podem ser ideais para você.


  • Participe e colabore com campanhas de vacinação - o HPV – Papilomavírus Humano é um fator de risco importante para o desenvolvimento de diversos tipos de câncer ginecológico e de cabeça e pescoço. Leve seus filhos ou conhecidos para se vacinar contra o HPV. O imunizante está disponível gratuitamente no SUS para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos de idade.


  • Proteja-se corretamente da exposição do sol - Use sempre protetor solar na pele, lábios, principalmente entre 10h e 16h, mesmo em dias nublados. Acessórios como chapéu, boné, manga comprida e calça também podem ajudar na proteção.


  • Consulte regularmente um médico e faça exames de rotina – Não deixe de visitar um médico e fazer um check-up periodicamente. Os exames serão importantes para avaliar todo o seu quadro de saúde.


254 visualizações