top of page
Jornais

Notícias

Impacto da cirurgia, radioterapia e tratamento sistêmico em idosos com câncer de glândulas salivares

As taxas de sobrevida geral de cinco anos entre os pacientes diagnosticados com câncer de glândulas salivares foram menores em pacientes idosos em comparação com os casos com menos de 65 anos. As taxas de sobrevivência de dois tipos de câncer neste local (MSG e SGT) foram de 82% e 89% no grupo de 0-65 anos e de 61% e 81% no grupo de 65 anos ou mais.


O resultado é apresentado na revisão Salivary gland cancers in elderly patients: challenges and therapeutic strategies, publicada na revista científica Frontiers in Oncology. Multicêntrico, o estudo é de autoria de pesquisadores do Istituto Nazionale dei Tumori (Itália), Leuven Cancer Institute (Bélgica) e University Hospitals Giessen (Alemanha).


Os carcinomas das glândulas salivares (CGS) são o subgrupo mais heterogêneo de tumores malignos de cabeça e pescoço, representando mais de 20 subtipos. Espera-se que a idade mediana do diagnóstico de CGS aumente nas próximas décadas, levando a desafios clínicos cruciais em oncologia geriátrica. Pacientes idosos, em comparação com pacientes com idade inferior a 65 anos, são geralmente considerados menos passíveis de receber tratamentos curativos de última geração para doença, como cirurgia e radioterapia no cenário de doença avançada, assim como os regimes de quimioterapia são muitas vezes atenuados por conta de comorbidades cardiovasculares e renais.


Neste artigo, os autores discutem as histologias de câncer de glândulas salivares mais frequentemente diagnosticadas em idosos e os resultados relativos de sobrevida de 5 anos. Foi feita a divisão em dois grupos: tumores epiteliais malignos de glândulas salivares maiores (MSG) e tumores epiteliais malignos das glândulas salivares, exceto MSG (SGT). A análise teve como base os dados recentes do Programa de Vigilância, Epidemiologia e Resultados Finais (SEER), da American Cancer Society. Além disso, os pesquisadores revisaram as estratégias terapêuticas atualmente disponíveis para doença locorregionalmente avançada e metastática, levando em consideração avanços recentes em oncologia de precisão. Os autores consideraram o fato de a população mundial estar envelhecendo em ritmo acelerado. Em 2050, a proporção da população mundial com mais de 60 anos é esperada chegar a 22%, quase dobrando os 12% de 2015.


O que foi avaliado? - O trabalho apontou o estado da arte em tratamento cirúrgico para estes tumores, trazendo evidências sobre abordagem cirúrgica em pacientes idosos levando em conta a associação entre biologia do tumor e idade do paciente; assim como a sobrevida em cinco anos de acordo com estadiamento: localizado, locorregional e metastático por faixa etária (todas as idades / 0 a 65 anos / mais de 65 anos).


No artigo, são descritas as estratégias de ressecção cirúrgica de acordo com o local/sítio acometido: glândula parótida, glândula submandibular, glândula sublingual e glândulas salivares menores. Os autores também apontam as abordagens em caso de envolvimento linfonodal e o uso de diferentes modalidades, como radioterapia com prótons, terapia de partículas, íon de carbono e tratamentos sistêmicos com quimioterapia, drogas-alvo, hormonioterapia e imunoterapia.


Este olhar amplo para os tumores malignos de glândulas salivares é um dos méritos desta revisão. “Este estudo evidencia a importância do cuidado multidisciplinar de uma equipe de Tumor Board, incluindo a atuação do médico geriatra. É algo que propicia a definição correta da modalidade de tratamento mais adequada para cada paciente idoso, levando em conta a sua saúde geral, não apenas a sua idade”, destaca o cirurgião de cabeça e pescoço e Professor Doutor Luiz Paulo Kowalski, ao avaliar o estudo.


Principais resultados – Os autores afirmam que para pacientes com idade cronológica avançada a cirurgia com proposta curativa não é uma contraindicação absoluta. A ressecabilidade do tumor, extensão da cirurgia e resultados esperados devem ser discutidos individualmente. As toxicidades devem ser cuidadosamente monitoradas e abordadas precocemente, com um zeloso e contínuo trabalho de cuidados de suporte durante todo o período de tratamento.


Para os pacientes não passíveis de cirurgia, seja devido à extensão da doença ou presença de comorbidades, a radioterapia exclusiva com objetivo radical ou paliativo é a escolha mais indicada. O uso de quimioterapia sistêmica, especialmente à base de combinações com cisplatina, pode enfrentar algumas barreiras em pacientes idosos. A escolha da terapia sistêmica deve ser independente da idade cronológica. O que deve ser considerado, nestes casos, é o estado clínico, comorbidades e o apoio dos cuidadores.


Nos últimos anos, como uma caracterização molecular abrangente dos tumores de glândulas salivares as opções terapêuticas potencialmente se expandiram, seguindo os princípios da oncologia de precisão. O tipo de tumor primário deve ser considerado na escolha do algoritmo; por exemplo, taxano e gemcitabina não são recomendados na AdCC devido à falta de atividade. Abordagens personalizadas são viáveis, especialmente para alguns subtipos como SDC, adenocarcinoma NOS e ca ex-PA. A busca por alterações moleculares (por exemplo, receptor de androgênio-AR e HER2 em SDC e ca ex-PA) é recomendada para oferecer uma alternativa terapêutica eficaz para quimioterapia (por exemplo, ADT em caso de superexpressão de AR; HER2-bloqueio em caso de superexpressão de HER2 e inibidores de NTRK em caso de fusões NTRK00. Por fim, o sequenciamento de nova geração (NGS) é a mais econômica abordagem para encontrar outras metas acionáveis, sendo importante que esteja disponível em centros de referência em Oncologia.


Referência do estudo

Colombo E, Van Lierde C, Zlate A, Jensen A, Gatta G, Didonè F, Licitra LF, Grégoire V, Vander Poorten V, Locati LD. Salivary gland cancers in elderly patients: challenges and therapeutic strategies. Front Oncol. 2022 Nov 25;12:1032471.


Comments


bottom of page